Páginas

segunda-feira, março 12, 2018

Greve dos Correios demanda melhorias e a manutenção da empresa pública para a sociedade



ECT induz os brasileiros a acreditarem em crise, enquanto patrocina intervenções políticas na estatal e deixa os trabalhadores no prejuízo, com retiradas de direitos e desvalorização
Os trabalhadores dos Correios vão entrar em greve, por tempo indeterminado, a partir das 22 horas do dia 11 de março, por todo o País. A mobilização nacional da categoria, aprovada em assembleias dos sindicatos filiados à Federação Nacional dos Trabalhadores em Empresas de Correios e Telégrafos e Similares (FENTECT), é contra as alterações no Plano de Cargos, Carreiras e Salários (PCCS); a terceirização na área de tratamento; a privatização da estatal; suspensão das férias dos trabalhadores, como em 2017; extinção do diferencial de mercado; descumprimento da cláusula 28 do Acordo Coletivo de Trabalho (ACT), que trata da assistência médica da categoria, e contra a redução do salário da área administrativa. Além disso, entre as demandas dos ecetistas estão a contratação de novos funcionários via concurso público, a segurança nos Correios e o fim dos planos de demissão.

Um dos principais ataques da ECT é voltado ao plano de saúde da categoria, que recebe, em média, R$ 1600,00 (o pior salário entre empresas públicas e estatais) e, agora, no que depender da direção dos Correios, ainda terá que arcar com mensalidades no plano e a retirada de dependentes. Além disso, o benefício poderá ser reajustado conforme a idade, chegando a mensalidades acima de R$ 900,00. O julgamento do plano de saúde está marcado para a próxima segunda-feira, dia 12 de março, no Tribunal Superior do Trabalho (TST). 

A empresa também iniciou 2018 extinguindo o cargo de Operador de Triagem e Transbordo (OTT), importante para o movimento do fluxo postal interno, visando a terceirização nos Correios. Já anunciou a redução da carga horária e os salários dos trabalhadores administrativos, como reflexo da reforma trabalhista. Para piorar a situação, a empresa também anunciou o fechamento de mais de 2500 agências próprias, por todo o Brasil.


Luta conjunta
Todo o desmonte promovido pela gestão dos Correios tende a prejudicar ainda mais os serviços à população. A FENTECT esclarece que alguns argumentos repassados transmitem uma visão enganosa da realidade na estatal. Por exemplo, quanto ao monopólio dos Correios, que, hoje, corresponde apenas a cartas, malote e telegrama. O segmento de encomendas, como o Sedex, entretanto, sempre foi concorrencial.

Quanto ao reajuste dos preços dos serviços da estatal, a federação e toda a categoria concorda com a sociedade e discorda de aumentos abusivos nos valores. Por isso, os trabalhadores apoiam o direito da população ao cobrar que não haja excessos nas contas a serem pagas. Já em relação ao argumento da ECT para esse reajuste, a respeito da segurança dos trabalhadores, a FENTECT esclarece que não há nenhum benefício pago ao trabalhador por esse motivo, bem como nenhum adicional.


Patrimônio público
Os Correios são patrimônio nacional, garantem um direito constitucional à comunicação com segurança e alcançam os locais mais distantes do país. Além disso, não onera o governo federal ou o bolso do cidadão com arrecadação de impostos, já que, ao contrário, é o governo quem tem retirado verbas da empresa, sem retorno, nos últimos anos, como da ordem de R$ 6 bilhões.

Com todos os erros e ingerências políticas na administração dos Correios, a direção da estatal promove essas e outras retiradas de direitos dos próprios trabalhadores, responsabilizando-os pelos danos da ECT. A construção dos benefícios assegurados aos trabalhadores se deu por meio de negociações coletivas e aos ecetistas foram concedidos em contrapartida aos baixos salários, sem reajustes consideráveis há anos. Portanto, a greve, instrumento legítimo garantido a diversas categorias, é pelos trabalhadores dos Correios e toda a sociedade, e visa a melhoria, modernização e a empresa 100% pública, de qualidade para todos.

Correios suspende férias e flexibiliza direitos dos trabalhadores



No veículo de “desinformação” da ECT, o Primeira Hora dessa terça-feira (27), a empresa falou em suspensões, reduções e flexibilizações, além de já sugerir novas medidas de redução de custos, sem informar adequadamente o que se trata. O argumento da empresa continua sendo o mesmo, sobre a sustentabilidade, levando ao erro o Poder Judiciário e a sociedade, pela situação dos Correios. A FENTECT repudia a linha política e de mercado que a gestão dos Correios está seguindo.

Novamente vão suspender as férias, o direito ao descanso do trabalhador, que dá o suor o ano inteiro pela estatal, trabalhando, muitas vezes, por três, por falta de concursos e mais empregados na empresa. Foi uma luta garantir o retorno das férias no último ano e, novamente, a empresa lança essa medida.

O projeto teletrabalho e a redução de jornada e salário nada mais são do que a aplicação da reforma trabalhista para os empregados de cargos administrativos. Infelizmente, o Brasil não pôde barrar a aprovação dessa contrarreforma e, agora, os patrões começam a iludir a classe trabalhadora, ao invés de realizar investimentos, a modernização da empresa e valorizar o quadro de funcionários.

A ECT vai pela via da redução de direitos e das condições dignas de trabalho, com a ilusão de suspensões de contrato, por até três anos, sem custos para a empresa e sem garantir a segurança do retorno às atividades.

Ainda, mais uma vez, a ECT vai mudar um capítulo do Manual de Pessoal sem o debate com os trabalhadores, a fim de evitar gastos. Entretanto, enquanto os gerentes não poderão ser substituídos por pessoas que não possuam o mesmo “nível”, a estatal é comandada por agentes políticos e sem qualificação comprovada para tal.

Falta transparência na gestão dos Correios e uma conversa coerente com a classe trabalhadora. A FENTECT alerta os trabalhadores que é preciso tomar cuidado ao aceitar qualquer proposta da empresa ou ao menos acreditar nas informações do Primeira Hora, sem antes solicitar apoio e esclarecimento junto aos representantes da categoria. Este momento na estatal é delicado e a luta contra os ataques não pode cessar até que os Correios retomem a confiabilidade entre os cidadãos brasileiros e os próprios empregados.


Aposentados têm prazo final até 29 de março para recadastramento na Postal Saúde


A FENTECT informa aos aposentados do plano CorreiosSaúde que o prazo para recadastramento na Postal Saúde vai até o dia 29 de março de 2018. Com isso, a operadora vai atualizar os dados cadastrais de cada beneficiário. Esta é a última chamada para aqueles que não enviaram as documentações no prazo da Campanha de Recadastramento de Aposentados, realizada entre os meses de abril de 2016 e dezembro de 2017.

Para que o processo seja realizado com sucesso, o aposentado precisa enviar à Postal Saúde, obrigatoriamente, o Termo de Atualização Cadastral, enviado a cada um e disponível no site da operadora; cópia de comprovante atualizado de recebimento do benefício do INSS; cópia do comprovante atualizado do benefício Postalis (se for o caso), cópia do RG e do CPF.

Destino
O beneficiário deverá enviar os documentos para a caixa postal 9555, CEP: 70.040-976 - Brasília-DF, ou para o e-mail: aposentados.cadastro@postalsaude.com.br; ou, ainda, entregá-los pessoalmente em uma Unidade de Representação Regional (URR) do respectivo estado.

Outros canais estão disponíveis para o aposentado tirar dúvidas, como a Central de Atendimento ao Beneficiário, pelo número: 0800 888 8116, ou, para os beneficiários com deficiência auditiva, no número 0800 888 8117. É possível também procurar a URR mais próxima.

Não perca o prazo, aposentado - A FENTECT, preocupada com toda a categoria e com aqueles que já fizeram a luta, pede a ajuda dos trabalhadores que ainda não gozam da aposentadoria, para que compartilhem a informação com os conhecidos aposentados. É preciso muita atenção à data limite para o recadastramento, para não perder o benefício.

Ressalta-se que o não cumprimento do prazo pelo beneficiário pode causar a suspensão e o cancelamento da assistência médica e odontológica, acarretar responsabilidade administrativa aos empregados ainda na ativa e civil ao aposentado se for anistiado, entre outros problemas. 


quarta-feira, fevereiro 14, 2018



PROCESSO ELEITORAL SINCORT/PA 2018/2022

EM DECORRÊNCIA DA NÃO ABERTURA DOS CARTÓRIOS NO DIA 14 DE FEVEREIRO DE 2018, E POR DELIBERALIDADE CONCEDIDA POR ESTA DIRETORIA DEMONSTRANDO ASSIM TOTAL TRANSPARÊNCIA E IGUALDADE DE CONDIÇÕES PARA INSCRIÇÃO DE CHAPAS A CONCORRER AO PRÓXIMO MANDATO DO SINCORT/PA, O PRAZO PARA INSCRIÇÃO DE CHAPA SERÁ PRORROGADO ATE ÀS 17 HORAS DO DIA 15 DE FEVEREIRO PARA TODOS OS QUE TIVEREM INTERESSE DE CONSTITUIR CHAPA TENHAM CONDIÇÕES DE FAZÊ-LO. VALE RESSALTAR QUE ESTAS INFORMAÇÕES JÁ ESTÃO VEICULADAS NAS REDES SOCIAIS DO SINCORT/PA, COMO POR EXEMPLO, FACEBOOK E BLOG.

DESDE JÁ AGRADECEMOS A ATENÇÃO DE TODOS E SEMPRE ESTAREMOS JUNTOS NA CONSTRUÇÃO DE UM SINDICATO CADA VEZ MAIS PRESENTE PARA OS TRABALHADORES.

sábado, fevereiro 10, 2018




AVISO
Senhores associados, temos a informar que a administração da entidade sindical estará funcionando nos dias 10,11,12,13 e 14, nos horários de 08:00 as 12hs e 13:00 as 17:00, em cumprimento ao edital lançado o no dia 05/02/2018(Amazônia Jornal).

 


AVISO
Senhores associados, temos a informar que a administração da entidade sindical estará funcionando nos dias 10,11,12,13 e 14, nos horários de 08:00 as 12hs e 13:00 as 17:00, em cumprimento ao edital lançado o no dia 05/02/2018(Amazônia Jornal).

sexta-feira, outubro 06, 2017

Comando parabeniza os que lutaram e orienta à aprovação da proposta do TST



Desde o início do processo de negociação da Campanha Salarial 2017-18, o Comando Nacional de Mobilização e Negociação da FENTECT tem demonstrado à categoria a importância da luta. E foi graças à greve legítima dos trabalhadores, deflagrada no dia 19 de setembro, que os ecetistas alcançaram mais uma vitória importante no Tribunal Superior do Trabalho (TST), no dia 4 de outubro.
Mesmo sob muita pressão de todos os lados, os trabalhadores enfrentaram esse momento de cabeça erguida. Todas as dificuldades impostas culminaram, então, na greve, e essa foi a última alternativa da categoria, que, agora, pode se orgulhar por ter conseguido manter todos os direitos conquistados nas últimas décadas. A ECT ameaçou retirar todos os benefícios, lançou descontos nos salários, esteve junto a outra federação (Findect) lançando uma proposta rebaixada, mas nada disso impediu a luta dos trabalhadores dos Correios. Ainda, foi a mobilização das bases dos sindicatos filiados à FENTECT que fez com que a categoria em São Paulo (SPM) e no Rio de Janeiro se unissem à greve que já estava em andamento.
O ganho com o reajuste de agosto de 2017 é significativo para a categoria, pois não reflete apenas no salário, mas também no anuênio, nas gratificações de 30% do carteiro, quebra de caixa para o atendente, do AAT para o OTT, o vale alimentação, o vale cesta, o vale extra no final do ano, décimo terceiro, o recolhimento no FGTS, além dos reajustes no auxílio creche/babá e no auxílio para dependentes com deficiência. Ao colocar tudo isso no papel, é possível verificar que o índice de 2,07% retroativo é mais vantajoso que os 3% propostos para janeiro de 2018.
Outra grande vitória foi a manutenção da cláusula sobre a Assistência Médica, sem alteração no texto do ACT 2016-2017. Com isso, a decisão caberá aos trabalhadores, em assembleias, se concordam ou não com a proposta. O ministro do TST, Emmanoel Pereira, deixou bem claro que não há imposição somente pelo argumento de crise que a empresa divulga. De acordo com o ministro, a mediação deve permanecer e tem como objetivo alcançar um acordo entre as partes. Isso significa que os trabalhadores serão consultados sobre qualquer proposta. Logo, é positiva a manutenção de poder de decisão, amplamente discutida e deliberada em assembleias.
A FENTECT destaca que a decisão sobre a proposta do tribunal vai depender das assembleias. Entretanto, o CNMN ressalta que outros ganhos poderiam ter sido alcançados se a categoria contasse com mais adesão e participação ao processo das negociações. Destaca-se, então, o empenho daqueles que lutaram para frear os ataques da ECT e honraram a batalha dos trabalhadores dos Correios.
Tendo em vista a vitória alcançada, a ampla maioria do comando de negociação orienta pela APROVAÇÃO da proposta do TST, pois entende que a manutenção da greve, neste momento, pode desgastar a categoria. Agora é hora de aglutinar forças para os próximos embates, em especial, contra a privatização da estatal, pela manutenção dos direitos e empregos dos ecetistas.

TST apresenta nova proposta para o ACT da categoria ecetista



Os membros do Comando de Nacional de Mobilização e Negociação da FENTECT participaram, hoje (4), em Brasília, da audiência de conciliação no Tribunal Superior do Trabalho (TST). Na ocasião, uma nova proposta para o Acordo Coletivo de Trabalho da categoria foi apresentada, sem ponderações, pelo ministro Emmanoel Pereira.
A seguir, o que foi proposto pelo ministro as partes, nesta quarta-feira:


Cláusulas Econômicas
O ministro propôs reajuste INPC 2.07% nos salários e benefícios, retroativo ao mês de agosto deste ano;


Cláusulas Sociais
Manutenção das cláusulas sociais na proposta do tribunal;

Plano de Saúde
Reedição. O plano continua sob a mediação do TST;


Dias Parados
Compensação de 64 horas, sendo 6 horas aos sábados para quem trabalha de segunda-feira à sexta-feira. Para aqueles que trabalham aos sábados, 4 horas de segunda-feira à sexta-feira e 2 horas aos sábados.

Agora, é preciso aguardar as orientações do comando de negociação, que vai se reunir em Brasília ainda hoje. Além disso, foi dado um prazo pelo TST de 48 horas para resposta sobre a avaliação da proposta, por parte dos trabalhadores do que foi sugerido pelo tribunal. A FENTECT solicita a todos que continuem se informando nos canais de comunicação da federação, para novas notícias.

FENTECT

Federação participa de nova audiência contra fechamento de agências


A Associação dos Funcionários do Banco do Nordeste do Brasil (AFBNB) convidou a FENTECT para participar da audiência pública, que será realizada amanhã (5), às 9h30min, no Plenário 13, Anexo II, na Câmara dos Deputados. A audiência é uma realização da Comissão de Integração Nacional, Desenvolvimento Regional e da Amazônia (CINDRA), de autoria dos Deputados Valadares Filho (presidente da CINDRA) e Erika Kokay, com o objetivo de discutir o fechamento das agências de bancos públicos.
É importante que os representantes em Brasília compareçam. A semana tem sido intensa para a categoria, com mobilizações que pedem o fim da retirada de direitos da categoria e pela não privatização dos Correios.
Nesse momento, com graves ameaças, os representantes e os trabalhadores de base devem estar ativos na luta e atentos a essa estratégia de entrega da estatal à iniciativa privada, entre outras, que comprometem não somente os serviços, mas os empregos dos trabalhadores dos Correios.
Além da audiência desta quinta-feira, hoje é um dia muito importante para os trabalhadores, que aguardam os resultados para o Acordo Coletivo de Trabalho deste ano. Haverá ainda, nesta tarde, audiência de conciliação no TST, às 16 horas

FENTECT

quinta-feira, setembro 21, 2017

Categoria vai permanecer em greve até a ECT negociar devidamente


Com a greve deflagrada nessa terça-feira (19) e forte em quase todo o País, a empresa demonstrou novamente intransigência ao deixar o Comando Nacional de Mobilização e Negociação (CNMN) da FENTECT esperando na porta da UNICO, em Brasília, para mais um dia de negociações. Ontem (20), deveriam ser apresentadas as propostas para cláusulas Econômicas e de Benefícios, no entanto, a ECT não compareceu e cancelou pela quarta vez a reunião, descumprindo o calendário.

Em carta, a empresa afirmou que os representantes dos trabalhadores foram precipitados, comprometendo a recuperação dos índices dos Correios. Porém, foi a má gestão da ECT que levou ao sucateamento dos serviços e à precariedade do trabalho para a categoria.

Ao negociar apenas com a outra federação, nessa quarta-feira, a empresa sugeriu mais ataques, com exclusões de cláusulas, como a do vale-cultura; o aumento do percentual do desconto nos vales alimentação e refeição; fim da concessão dos mesmos vales aos trabalhadores durante as férias e fim do vale-peru no mês de dezembro, sempre alegando dificuldades financeiras para garantir recursos aos trabalhadores.

Ainda ontem, a ECT entrou com dissídio coletivo de greve no Tribunal Superior do Trabalho (TST). No entanto, o comando de negociação da federação continua unido em busca de soluções viáveis para solucionar o conflito instaurado pela direção da estatal. Para isso, representantes dos trabalhadores compareceram ao tribunal na parte da manhã desta quinta-feira (21) para, junto ao ministro Emmanoel Pereira, esclarecer o processo da campanha salarial, até o momento, e as dificuldades impostas às negociações, por parte da empresa.

Com isso, todas as evidências mostram o interesse da empresa em levar o acordo até a entrada em vigor da reforma trabalhista, em 11 de novembro. Enquanto isso, todas as propostas apresentadas até agora foram de exclusão ou redução de direitos, sem o devido debate sobre a pauta de reivindicações da categoria, entregue ainda no mês de julho deste ano.

Não existe déficit, existe má gestão - Constantemente, há algum tempo, a FENTECT tem refutado o déficit declarado pela ECT, que, além de não abrir os números oficiais para as representações dos trabalhadores, mantém gastos exorbitantes. Foram duas reestruturações em apenas um ano, com serviços de consultoria milionários. Também, a situação deficitária da empresa é devida ao novo lançamento contábil, chamado “PÓS-EMPREGO”, que causou o impacto de R$ 1,5 bilhão nas contas da estatal, somado às diversas ações da gestão que minaram as reservas financeiras, tais como antecipação de dividendos à União de quase R$ 4 bilhões acima dos estabelecido legalmente. Além disso, diversos patrocínios e ações potencialmente prejudiciais, como o distrato com o Banco do Brasil, que onerou a empresa em torno de R$ 2 bilhões.

Greve em 28 sindicatos
Dos 31 sindicatos filiados à FENTECT, aderiram à greve, ontem, os estados de Alagoas, Amapá, Amazonas, Bahia, Distrito Federal, São Paulo (Campinas, Ribeirão Preto, São José do Rio Preto, Vale do Paraíba e Santos), Ceará, Espírito Santo, Goiás, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Minas Gerais (MG, Juiz de Fora e Uberaba), Pará, Paraíba, Paraná, Pernambuco, Piauí, Rio Grande do Norte, Rio Grande do Sul (RS e Santa Maria), Sergipe e Santa Catarina. Apenas Acre, Rondônia e Roraima ainda não confirmaram.

As mobilizações dos sindicatos na greve continuam por todo o país, inclusive com a adesão de mais trabalhadores. O comando de negociação da FENTECT permanece em Brasília para acompanhar e orientar as bases quanto ao fortalecimento do movimento grevista. Sugere, ainda a ampliação das atividades, com passeatas, carros de som, audiências públicas, panfletagens, anúncios nas redes sociais, cartas abertas à população, entrevistas para os meios de comunicação, para levar a verdade sobre os Correios, denúncias e propagandas, para que seja alcançado um Acordo Coletivo de Trabalho 2017/2018 digno da classe dos ecetistas.

A FENTECT parabeniza os trabalhadores que estão fortes na luta, aderindo às mobilizações nos estado. Independente do posicionamento da empresa, a categoria não pode desistir de batalhar pelos próprios direitos e garantias conquistadas nos últimos anos. É preciso manter a vigilância e a participação nas assembleias e deliberações dos sindicatos. Àqueles que ainda não realizaram assembleias para deflagração da greve, a federação sugere que adiantem as datas para que as bases se juntem aos demais que já disseram não às arbitrariedades da ECT.

 FONTE:FINDECT

Trabalhadores dos Correios decretam greve por tempo indeterminado


Após atraso nas negociações da campanha salarial e postura irredutível da ECT ao ouvir os trabalhadores, categoria adere à greve pela garantia de direitos, salários e empregos

Trabalhadores dos Correios de todo o País entraram em greve a partir das 22 horas dessa terça-feira (19). Primeira categoria a negociar após a aprovação da Reforma Trabalhista, a representação do Comando Nacional de Mobilização e Negociação da Federação Nacional dos Trabalhadores em Empresas de Correios e Telégrafos e Similares (CNMN/FENTECT) está sofrendo os entraves impostos pela ECT para a negociação da Campanha Salarial 2017/2018. Até o momento, após mais de 40 dias de atraso, a empresa anunciou apenas propostas de exclusões de cláusulas para o novo Acordo Coletivo de Trabalho (ACT) de categoria, configurando retiradas de direitos e assédio moral.

Com a mobilização, os empregados dos Correios denunciam o fechamento de agências por todo o Brasil, o que dificulta a vida não somente da categoria, mas de muitas populações que precisam dos serviços dos Correios, postal e bancário; ameaças de demissão motivada; corte em investimentos, incluindo novos concursos públicos; a suspensão das férias dos trabalhadores; retirada de vigilantes das agências, interferências e o sucateamento no plano de saúde da categoria, entre outras retiradas que já estão sendo promovidas.
Além disso, há algum tempo a ECT tem apresentado constantes mudanças de reestruturação na empresa, com abertura ao mercado e parcerias externas.
 
Agora, os Correios também estão no alvo das privatizações de empresas públicas e estatais, do governo federal. Mais uma ameaça aos empregos e à qualidade da ECT, que sempre esteve à frente na confiança da sociedade.

Ressalta-se que a categoria de trabalhadores dos Correios é a que recebe os menores salários entre as empresas públicas e estatais, e a empresa optou nos últimos anos a manter uma cultura de benefícios em troca de reajustes salariais dignos aos empregados. Logo, todas as conquistas dos ecetistas funcionam como uma compensação à defasagem financeira.

Adesão
Dos 31 sindicatos filiados à FENTECT, aderiram à greve os estados de Alagoas, Amapá, Amazonas, Bahia, Distrito Federal, São Paulo (Campinas, Ribeirão Preto, São José do Rio Preto, Vale do Paraíba e Santos), Ceará, Espírito Santo, Goiás, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Minas Gerais (MG, Juiz de Fora e Uberaba), Pará, Paraíba, Paraná, Pernambuco, Piauí, Rio Grande do Norte, Rio Grande do Sul (RS e Santa Maria), Sergipe e Santa Catarina.  Apenas Acre, Rondônia e Roraima ainda não confirmaram.

Embora o comando permaneça em Brasília para negociar com a ECT, a empresa anunciou na manhã desta quarta-feira (20) que não se reunirá com os representantes da FENTECT por conta da mobilização organizada pelos sindicatos filiados em todo o país. Porém, a campanha segue com o tema: "Nossos direitos e empregos ficam, Guilherme Campos sai". Enquanto isso, não há obrigatoriedade pela manutenção dos 30% de funcionamento, no entanto, algumas agências apenas reduziram o efetivo. A greve é por tempo indeterminado. 
 
FONTE : FENTECT

terça-feira, setembro 19, 2017

Sem cláusulas econômicas e de benefícios, ECT tenta a todo custo adiar o calendário da categoria


Além de adiar a negociação por três vezes e jogar vários temas para depois do combinado, a empresa segue retirando cláusulas e sugerindo alterações que ferem apenas os direitos dos trabalhadores. Nesta terça-feira não foi diferente. Nas cláusulas da Saúde do Trabalhador, quase nenhuma passou despercebida pela ECT (veja abaixo). As demais, que eram para ser apresentadas hoje, sobre o bloco econômico e os benefícios, a gestão da empresa deixou para amanhã a apresentação, porém, sem a garantia de propostas para os próximos dias.

Enquanto isso, o Comando Nacional de Mobilização e Negociação (CNMN) vai permenecer em Brasília para negociar com a ECT, agora, sob nova conjuntura, com a possível deflagração de greve, já que as assembleias estão marcadas em todo o País para esta noite, pelos sindicatos filiados.

Para o secretário-geral da FENTECT, José Rivaldo da Silva, a empresa está promovendo o terrorismo contra os trabalhadores, sempre acusando as representações sindicais, com discurso de levar o empregado a refletir. "Reflexão a gente faz todos os dias nessa empresa. É melhor morrer vermelho do que viver o tempo todo amarelo e nós não vamos amarelar, entregando nossos direitos. A empresa já tinha essa proposta de retirada de direitos desde o primeiro dia. Vamos estar aqui no sábado, no domingo, qualquer dia que for necessário, mas não haverá nenhum recuo da categoria, vamos negociar na greve", declarou.
Por isso, é imprescindível a vigilância e a permanência na luta dos trabalhadores da base, todos juntos, atendentes, carteiros, OTTs e os empregados da área administrativa. A decisão dos empregados é a mais importante para dar prosseguimento às negociações do Acordo Coletivo de Trabalho 2017/18. São as assembleias que mostram a força da categoria ecetista, esse é o momento correto para demonstrar insatisfação às propostas da ECT. Os trabalhadores são os reais interessados em manter a estatal 100% confiável, pública e de qualidade.

HOJE, TODOS às assembleias. A mobilização da categoria é fundamental e vital para os nossos direitos e empregos!

Alterações e exclusões nas Cláusulas Saúde do Trabalhador:

- Fim da cláusula 33, que garante o pagamento das remunerações ao empregado inapto para o retorno ao trabalho, enquanto ele aguarda julgamento de recurso no INSS;
- Mediação no TST da cláusula 28 (plano de saúde);
- Redução dos dias de ausência remunerada para levar dependentes ao médico e redução da idade dos dependentes (de 18 para 6 anos);
- Alteração de atendimento psicológico por atendimento psicossocial para vítimas de assaltos;
- Fim da ginástica laboral,
- Redução do número de cipeiros, evitando que mais trabalhadores tenham a estabilidade provisória.


FONTE: FENTECT